Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Curso de relacionamento interpessoal Boa Vista, Roraima

Encontre os cursos de relacionamento interpessoal em Boa Vista. Conheça os cursos desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

SENAT-Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte
(95) 3625-8551
av Princs Isabel, 1200 Jardim Floresta
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
CEFET-Centro Federal de Educação Tecnológica
(95) 3621-8000
Via Flores, 2500 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Centro de Formação de Vigilante Roraima
(95) 3623-5789
r Pedro Rodrigues, 1622 Mecejana
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Escola de Formação de Professores Boa Vista
(95) 3623-2058
av Ville Roy, 1854 Canarinho
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Gema Cursos Técnicos
(95) 3624-5388
r Gov Aquilino Mota Duarte, 1627 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
CAPIT-Centro Assist Prof Integ Trab
(95) 3625-6365
av Princs Isabel, 1200 Tancredo Neves
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Ceterr
(95) 3224-6493
r Mário Homem Melo, 281 Centro
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Escola Agrotécnica
(95) 3627-2573
Rod BR 174, 12 km 12 Boa Vista
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Microlins Centro de Formação Profissional
(95) 3224-1869
av Getúlio Vargas, 6523 Centro
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Senai
(95) 3625-5027
av Imigrantes, 399 Buritis
Boa Vista, Roraima

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Curso de relacionamento interpessoal

Fornecido por: 

Há anos tenho trabalhado com grupos de sensibilização, sobretudo em empresas familiares e públicas.

Uma das mais importantes constatações que aprendi na prática foi a de que normalmente as pessoas não gostam de conviver com outras com as quais têm dificuldades no relacionamento. Normalmente as pessoas anseiam por resolver seus conflitos. Esses grupos têm por objetivo trabalhar essas dificuldades comportamentais. Constatei em dezenas de organizações que passar dois ou três dias isolado em um lugar fora do trabalho discutindo suas tensões costuma ser uma experiência positivamente surpreendente.

Sempre verifiquei que as afirmações sobre o medo de trabalhar os conflitos é mais uma das muitas insanidades organizacionais. O grande perigo ou medo está no fato de que temos de trabalhar as emoções contidas e que esses grupos de sensibilização teoricamente poderão piorar a situação existente. Entretanto, na prática, os grupos sabem se defender e dificilmente colocarão suas dificuldades se o profissional coordenador não transmitir confiança.

Como trabalhar os conflitos
Nessas ocasiões é muito importante não se trabalhar os fatos no passado e sim os sentimentos contidos no presente, no "aqui e agora". Ficar falando dos acontecimentos passados não resolve as questões e ainda pode provocar "re-sofrimentos", ou seja, despertar sentimentos ruins e mal entendidos que ficaram registrados no sistema nervoso e podem se prestar a novos desentendimentos. Um dos pontos mais importantes desses encontros é a mudança de foco das comunicações: deixa-se de falar do outro para falar com o outro. Normalmente, no dia-a-dia dos grupos informais, comenta-se irresponsável e inutilmente as dificuldades dos colegas de trabalho, sobretudo dos membros do poder. Essas explanações costumam gerar um clima de imaturidade grupal em que não se assume a autoria das opiniões ou percepção sobre os ausentes.

Fala-se impessoalmente: "estão dizendo", "ouvi comentários", "me contaram", entre outros. As pessoas são "julgadas" e "condenadas", sem possibilidade de "defesa". Durante os encontros de sensibilização essa conduta é radicalmente cortada. Os comentários são feitos diretamente para os outros, em vez de falar na ausência desses. Os participantes são estimulados a falar face a face com seus parceiros. Os feedbacks são diretos e personalizados na primeira pessoa: "eu observo", "eu sinto", "minha opinião", entre outros.

Fatos vividos no passado e sentimentos no presente

Deve-se evitar discutir os fatos passados e, sobretudo, enfatizar as criações de projetos no futuro. Ninguém resolve "problemas no passado". O que se tem para mudar são sentimentos de instantes mal vividos e que ficaram gravados em nossas memórias emocionais. O papel do coordenad...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb