Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Consultório Urológico Boa Vista, Roraima

Encontre os consultórios urológicos de Boa Vista. Conheça os consprofissionais especializados desta área em sua região,aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Luiz Renerys Lima Pinheiro
(95) 224-8437
tv Expedicionarios, 79, Centro
Boa Vista, Roraima
 
DR Ferrer Alessandro
(95) 625-5901
r Clínica São Mateus
Boa Vista, Roraima
 
Dra Ana Lilia GB Souza e Dra Jucineide Vieira Araújo
(95) 224-1460
r Melvim Jones, São Pedro
Boa Vista, Roraima
 
Alacia Beschorner
(95) 625-1375
r Mario Homem de Melo, 4783, qd 50, Nova Canaã
Boa Vista, Roraima
 
Leopoldo Augusto Araújo Ponchet Fl
(95) 224-0186
r Presidente Costa e Silva, 1249, São Pedro
Boa Vista, Roraima
 
Fed Roraimense Basketball
(95) 224-1451
av Ville Roy W e SL Frb
Boa Vista, Roraima
 
DR Ruy Guilherme S Souza
(95) 224-1460
r Melvim Jones, São Pedro
Boa Vista, Roraima
 
CTG Querência
(95) 224-1381
av Brigadeiro Eduardo Gomes, 1000, São Francisco
Boa Vista, Roraima
 
DR Henrique José Schiaveto
(95) 224-1460
r Melvim Jones, São Pedro
Boa Vista, Roraima
 
Coml Maruai
(95) 224-2006
av Getulio Vargas, 923, Centro
Boa Vista, Roraima
 

Consultório Urológico

Fornecido por: 

Orientação de especialista pode curar ou minimizar os sintomas, que já atinge cerca de 25% da população feminina.

A incontinência urinária é algo muito desagradável para a mulher que a apresenta. Mesmo os quadros leves interferem diretamente com as atividades diárias dessas mulheres, de tal maneira que aquelas que sofrem desta moléstia apresentam índices mais baixos de qualidade de vida.

Mesmo assim, muitas não procuram ajuda médica. Por desconhecer a existência de tratamentos modernos, nem sempre cirúrgicos que podem curar ou minimizar muito os sintomas.   Ou por não priorizar seus cuidados sobre outras atividades que ocupavam seu tempo. Muitas relatam que a perda urinária faz parte dos problemas que as mulheres têm que aceitar ao se aproximar da velhice. 

Por que é a   incontinência urinária tão comum?

Segundo Dra. Nara Mattia, ginecologista e mastologista, o problema surge   "Devido a fragilidade da musculatura de sustentação dos órgãos pélvicos. O aparelho esfincteriano, mais delgado, e a uretra feminina curta, proporcionam a incontinência urinária na mulher, que é muito freqüente após a menopausa onde todo esse assoalho fica ainda mais frágil pela falta do hormônio feminino".

A constituição física é um fator predisponente importante, porém com o aumento do peso do conteúdo abdominal e uterino, devido à gravidez, são também causas da incontinência urinária futura. Durante a gestação, o aumento do volume abdominal, e a presença da cabeça fetal na pelve podem causar uma pressão maior sobre o diafragma muscular pélvico, levando a uma flacidez. 

Todos os casos são iguais ? 

A incontinência urinária de esforço é o tipo mais comum. A perda urinária ocorre durante aumento da pressão abdominal (tosse, espirro, levantar peso, movimento, ou exercício físico). 

Incontinência urinária de urgência. É a incontinência que as mulheres apresentam por meio de uma vontade súbita e urgente de ir ao banheiro, mas não conseguem chegar ao sanitário a tempo de evitar a perda de urina. 

O terceiro tipo é a incontinência mista que associa a incontinência de esforço à incontinência de urgência.

Como saber qual é meu caso?

O mais importante é fazer um diagnóstico correto.

1. História dessa mulher. É preciso conversar com ela para tentar caracterizar se a perda de urina é por esforço ou por urgência. Se a urina escapou, por exemplo, quando fez exercícios, ou em repouso, ou quando estava dormindo em casa.Essas duas situações são bastante diferentes para identificação e tratamento da enfermidade. 

2. Exame urodinâmico, que permite determinar a ocorrência de contrações vesicais involuntárias (sem que a bexiga esteja muito cheia, surge o desejo premente de urinar), assim como a perda urinária quando a paciente faz esforço. Nesse exame, a saída de urina é moni...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb