Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Clínica obstétrica Fortaleza, Ceará

Encontre as clínicas obstétricas de Fortaleza. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Glauceneide de Barros Figueiredo
3226-1896
R Barao do Rio Branco 1736
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial

Dados Divulgados por
Dalgimar Beserra de Menezes
3231-9075
R Joao Cordeiro 1656
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Renato de Miranda S Sobrinho
3261-9294
Av Sen. Virgilio Tavora 1901
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Jose Gonçalves Moreira Filho
3494-7266
R Coronel Amancio Cavalcante 4
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina Intensiva

Dados Divulgados por
Marilia Pereira Nogueira
3246-6477
R Coronel Alves Teixeira 1355
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Aila M Martins Pimentel Oliveira
3287-5589
R Pintor Antonio Bandeira 1500
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Regis Oquendo Nogueira
3288-4549
R Papi Junior 1222
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina Nuclear

Dados Divulgados por
Luciana Gomes da R Arruda
3272-6414
Av Pontes Vieira 2591
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Patologia

Dados Divulgados por
Victor Hugo Medeiros Alencar
3486-6121
Av Dom Luis 1233
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Maria Flavia Nobre Damasceno
3221-6716
R Costa Barros 1419
Fortaleza, Ceará
Especialidade
Medicina do Trabalho

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica obstétrica

Fornecido por: 

O senso comum já prega há muito tempo que grávida não pode tomar remédio.

"E não pode mesmo. O uso indiscriminado de remédios é totalmente condenado durante gravidez. Esta proibição também inclui formulações à base de plantas, como os chazinhos curativos", alerta o ginecologista e obstetra Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Gênesis. Tanto cuidado se justifica porque a exposição a certos compostos químicos pode causar danos graves ao feto, como malformações, deficiências funcionais, retardo do crescimento e até mesmo a morte.

"Nenhum medicamento deve ser tomado sem orientação do obstetra. Mesmo se for prescrito por outro especialista, o médico que acompanha a gestação deve ser informado. Este cuidado deve ser maior nos três primeiros meses, quando se formam todos os órgãos do bebê. Nessa fase, remédios são desaconselhados sem indicação médica, incluindo fitoterápicos, homeopáticos, vitaminas e florais", reforça o ginecologista. Algumas drogas podem ser muito nocivas durante a gravidez, como, por exemplo, os retinóides (congêneres da vitamina A), em especial a isotretinoína, indicada para quadros graves e persistentes de acne, que provoca anomalias no sistema nervoso como hidrocefalia e retardo mental, defeitos no aparelho cardiovascular e alterações no crânio, especialmente nas orelhas.

A warfarina, utilizada para o controle da pressão arterial e para o tratamento da trombose, pode causar aborto, defeitos no sistema nervoso e hemorragia cerebral. Dois princípios ativos contra convulsões são acusados de alterar a formação da coluna vertebral do nenê: a carbamazepina e o ácido valpróico, esse último também receitado para prevenir crises de enxaqueca. Também entram na lista dos proibidos os fármacos para tratamento de câncer, que podem prejudicar o desenvolvimento do feto como um todo porque interferem na divisão celular. Os fitoterápicos, medicamentos à base de ervas, também oferecem riscos.

A cáscara sagrada, que é um laxante natural, pode causar contrações antes do tempo, com possibilidade de aborto e parto prematuro. O guaco, com o qual se faz xarope contra tosse, oferece risco de hemorragias. A hortelã, consumida na forma de chá contra gripes e resfriados, pode causar malformações, se utilizada em altas doses. Como tempero, ela é liberada. "Até uma vitamina pode fazer estragos. O excesso de vitamina A é associado a malformações. Muitas gestantes necessitam de suplementação de ácido fólico, ferro e cálcio, dentre outros nutrientes. Mas nem todos os complexos vitamínicos são adequados nessa fase da vida", alerta o ginecologista Aléssio Calil Mathias.

Quando é imprescindível?

Em alguns casos, a medicação se torna imprescindível porque a gestante apresenta algum distúrbio que pode trazer complicações importantes para a gravidez ou mesmo que possa colocar sua vida em perigo. "Nestes casos, a falta de ...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb