Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Clínica de Hematologia Sinop, Mato Grosso

Encontre as clínicas de hematologia de Sinop. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Diogenes Garrio Carvaho
(66) 3426-5085
Papoulas 444 - Bl1 Casa 7
Rondonopolis, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
Naíra Domingos Sé
(65) 3322-2504
Rua Rua dos Líriosº 525
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Nutrologia

Dados Divulgados por
LUZES ESPAÇO TERAPEUTICO
(66) 9643-8121
RUA DAS ORQUIDEAS 1188
SINOP, Mato Grosso
Especialidade
TERAPIA REGRESSIVA EVOLUTIVA

CLINICA MOQUEGUA
0051942938882
AVENIDA IQUITOS 1395
BRASIL, Mato Grosso
Especialidade
FISIOTERAPIA

Dr. Luiz Augusto Pereira Inez de Almeida
(65) 9938-4456
Rua Marechal Floriano Peixoto, N° 49, Centro
Cuiabá, Mato Grosso
Especialidade
Alergia e imunologia clínica, Acupuntura e Clínica Médica

Eliane Solange de Souza Pires
(65) 3617-1688
Cuiaba, Mato Grosso
Especialidade
Medicina de Família e Comunidade

Dados Divulgados por
ALLORA CENTRO MEDICO DE LASER
(65) 3052-0322
AV. SENADOR FILINTO MULLER 274
CUIABÁ, Mato Grosso
Especialidade
LASER E ESTETICA

Anedson Aires
(65) 3642-2210
Rua Esmeralda, 675, Bosque da Saúde
Cuiabá, Mato Grosso
Especialidade
Medicina e Estética

Clínica Genus Ltda
(65) 3642-4742
av Aclimação, 508, Bsq da Saúde
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Audimet Auditoria em Saúde e Medicina do Trabalho
(65) 3321-8725
r Des José Mesquita, 303 Araés
Cuiabá, Mato Grosso

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica de Hematologia

Fornecido por: 

O maior risco é a hipoglicemia moderada que não é percebida por 50% dos diabéticos e altera a capacidade de dirigir em 35% dos portadores.

Acidentes de trânsito são o segundo maior problema de saúde pública no Brasil e só perdem para a desnutrição segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). Respondem por um custo anual de R$ 24,6 bilhões ao país conforme estudo do IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas).

Para Leôncio Queiroz Neto, oftalmologista do Instituto Penido Burnier e diretor médico do Banco de Olhos de Campinas, o diabetes pode aumentar ainda mais o número de acidentes no país, considerando a prevalência da doença que hoje atinge 10 milhões de brasileiros e deve chegar a 16,5 milhões de portadores em 2025.

Perito em medicina do trânsito e membro da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina do Tráfego) o oftalmologista explica que ao contrário do que se possa imaginar, entre diabéticos o perigo de acidentes não está relacionado á hiperglicemia, aumento da glicose no sangue que caracteriza a doença.

O maior risco é a hipoglicemia, queda repentina da glicose na corrente sanguínea. Isso porque, o tempo entre o sintoma e a necessidade de correção é muito curto e a queda leve de glicemia não é percebida por 50% dos diabéticos apesar de reduzir a capacidade de dirigir em 35% dos portadores.

Além disso, só 3 em cada 10 motoristas param de trafegar quando percebem os sintomas, comenta.   O problema, observa, é mais comum na fase de adaptação ao medicamento, mas também pode ocorrer por irregularidade nos horários de alimentação ou excesso de exercício físico e em casos extremos colocar a vida do diabético em risco.

As falhas mais comuns na direção decorrentes da hipoglicemia leve são os desvios de direção, guinadas, saídas da pista, excesso de velocidade, condução lenta e freadas ou acelerações bruscas.

O especialista afirma que os sinais da hipogli...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb