Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Clínica Odontológica Infantil Marabá, Pará

Encontre as clínicas odontológicas infantis de Marabá. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Cristiano Cunha Ribeiro Cirurgião Dentista
(31) 3838-1454
Rua José Belizário Guerra Viana 71 lj 3
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Roberto V Mosele
(49) 3245-0848
Rua Archias Ganz 599 ap 12
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Elton Consultório Odontológico
(31) 3542-6103
Rua Melo Viana 285 an 2 sl 6
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Marta Rosenberg Drª
(21) 2714-5814
Rua Cel Moreira César 229 Sl 1115
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
João Batista Corrêa
(54) 3311-1959
Rua Paissandu 916 sl 301
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Santana Maria Rodrigues de Miranda
(91) 3244-3865
Av Pedro Miranda 814 s 204
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Adriana Angélica Carmona Rodrigues
(91) 3229-0897
Av Gentil Bittencourt 1643
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
André Ricardo Araújo da Silva
(21) 2502-7612
Pc Bandeira Da 109 Sl 201/ 204
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Jaime R Aguilar
(38) 3221-9212
Rua Beata 200 s 207
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Adriana Amaral Zamelute
(71) 3276-1688
Av D João VI 2082 s 210
Marabá, Pará
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Odontológica Infantil

Fornecido por: 

Ela acalma os bebês e dá sossego aos pais. Criada em 1949 pelos alemães Adolf Müller e Wilhelm Balters, a chupeta ortodôntica tem muitas razões para comemorar o aniversário de 60 anos.

 Alimento, calor e proteção. Tudo isso um bebê encontra no peito da mãe. E o que acontece quando ela não está por perto?   Longe do seio materno, a carência desses três itens gera um desconforto que os bebês expressam nas constantes choradeiras que atormentam os pais ao longo dos primeiros meses de vida. É por isso que existe a chupeta. Escavações na Itália, no Chipre e na Grécia sugerem que, há mais de 3 mil anos, a humanidade já buscava alternativas para tranqüilizar as crianças, mantendo-as ocupadas com algo que pudessem sugar enquanto o peito da mãe não estivesse disponível.

No Antigo Egito, os objetos dados aos pequenos da época eram simples figuras de animais feitas com barro e adoçadas com mel. Mais tarde, tornou-se comum mergulhar linho grosso em mel, leite, extrato de papoulas, conhaque ou em láudano, um medicamento feito à base de ópio, antes de levá-los à boca das criancinhas. Como se nota, a idéia da chupeta já é antiga, mas o conceito do formato atual, com bico, escudo e argola, surgiu apenas no século 19, acabando, então, com o risco de que bebês engasgassem ou mesmo engolissem esses objetos.

Debate sobre vantagens e desvantagens

Apesar da grande evolução por que passou o produto, o substituto para o peito materno ainda estava longe do ideal. Feito à base de borracha, o bico ainda era muito duro e também podia ser tóxico. Mães e profissionais da área de saúde seguiram, portanto, debatendo as vantagens e desvantagens do hábito de sucção desses materiais. O problema de banir os "brinquedos calmantes" era que os bebês passavam naturalmente a chupar o polegar. Em meados do século 20, o dentista alemão Adolf Müller concluiu que chupar o dedo por muito tempo também não era bom, já que o hábito causa má formação dos dentes - o que não acontece com a amamentação.

Em 1949, Müller criou, com a ajuda do ortodontista compatriota Wilhelm Balters, um objeto que eles chamaram de "chupeta calmante ortodôntica", um nome que soa ainda mais complicado em alemão: "kiefergerechter Beruhigungssauger". Foi assim que surgiu a chupeta moderna, com bico feito de látex ou silicone e modelado de tal forma que os movimentos de sucção de um bebê se assemelhem aos que eles fazem no peito da mãe. A invenção alemã faz sucesso há seis décadas, mas o professor de Fonoaudiologia Heinrich Pfaar diz que nem tudo é motivo de festa. Um dos problemas vistos por ele é o antigo costume de dar sabor ao objeto de sucção. "Ainda hoje, algumas pessoas freqüentemente mergulham a chupeta no mel ou passam um pouco de geléia ou alguma outra coisa nela, o que leva ao surgimento de cáries", explica o profe...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb