Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Clínica Odontológica Infantil Aracaju, Sergipe

Encontre as clínicas odontológicas infantis de Aracaju. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Reinaldo Nunes Bayma
(98) 3232-1043
Av Getúlio Vargas 1742 c 3
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Wagner C Pádua
(31) 3273-9155
Rua Espírito Santo 466 s 1505
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Renato Costa Esperidião
Av Ismerino S Carvalho Q 4a 133 lt 5
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Marcus Soska
(21) 2255-4520
Rua Siqueira Campos 143 lj 128
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Valério José Soares Pereira
(38) 3721-2579
Rua Benjamin Constant 202 s 5
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Nilo Evaldo Ludwig
(47) 3533-1271
Rua Pres Nereu 475
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Vicente P A Machado
(31) 3287-4584
Rod BR 40 s/n km 688 s 323
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Orlando G Silva
(31) 3851-3828
Av Getúlio Vargas 4998
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Sem dor de dente
(21) 2205-0346
Lgo Machado 29 SL 1022 e 924
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Vicente José Averbeck
Rua Antônio Maria Coelho 3659
Aracaju, Sergipe
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Odontológica Infantil

Fornecido por: 

Ela acalma os bebês e dá sossego aos pais. Criada em 1949 pelos alemães Adolf Müller e Wilhelm Balters, a chupeta ortodôntica tem muitas razões para comemorar o aniversário de 60 anos.

 Alimento, calor e proteção. Tudo isso um bebê encontra no peito da mãe. E o que acontece quando ela não está por perto?   Longe do seio materno, a carência desses três itens gera um desconforto que os bebês expressam nas constantes choradeiras que atormentam os pais ao longo dos primeiros meses de vida. É por isso que existe a chupeta. Escavações na Itália, no Chipre e na Grécia sugerem que, há mais de 3 mil anos, a humanidade já buscava alternativas para tranqüilizar as crianças, mantendo-as ocupadas com algo que pudessem sugar enquanto o peito da mãe não estivesse disponível.

No Antigo Egito, os objetos dados aos pequenos da época eram simples figuras de animais feitas com barro e adoçadas com mel. Mais tarde, tornou-se comum mergulhar linho grosso em mel, leite, extrato de papoulas, conhaque ou em láudano, um medicamento feito à base de ópio, antes de levá-los à boca das criancinhas. Como se nota, a idéia da chupeta já é antiga, mas o conceito do formato atual, com bico, escudo e argola, surgiu apenas no século 19, acabando, então, com o risco de que bebês engasgassem ou mesmo engolissem esses objetos.

Debate sobre vantagens e desvantagens

Apesar da grande evolução por que passou o produto, o substituto para o peito materno ainda estava longe do ideal. Feito à base de borracha, o bico ainda era muito duro e também podia ser tóxico. Mães e profissionais da área de saúde seguiram, portanto, debatendo as vantagens e desvantagens do hábito de sucção desses materiais. O problema de banir os "brinquedos calmantes" era que os bebês passavam naturalmente a chupar o polegar. Em meados do século 20, o dentista alemão Adolf Müller concluiu que chupar o dedo por muito tempo também não era bom, já que o hábito causa má formação dos dentes - o que não acontece com a amamentação.

Em 1949, Müller criou, com a ajuda do ortodontista compatriota Wilhelm Balters, um objeto que eles chamaram de "chupeta calmante ortodôntica", um nome que soa ainda mais complicado em alemão: "kiefergerechter Beruhigungssauger". Foi assim que surgiu a chupeta moderna, com bico feito de látex ou silicone e modelado de tal forma que os movimentos de sucção de um bebê se assemelhem aos que eles fazem no peito da mãe. A invenção alemã faz sucesso há seis décadas, mas o professor de Fonoaudiologia Heinrich Pfaar diz que nem tudo é motivo de festa. Um dos problemas vistos por ele é o antigo costume de dar sabor ao objeto de sucção. "Ainda hoje, algumas pessoas freqüentemente mergulham a chupeta no mel ou passam um pouco de geléia ou alguma outra coisa nela, o que leva ao surgimento de cáries", explica o profe...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb