Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Clínica Odontológica Arapiraca, Alagoas

Encontre as clínicas odontológicas de Arapiraca. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Carlos H S Braga
(51) 3227-5647
Rua Vig José Inácio 566 ap 1202
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Cláudia Mata da Silva
(21) 2629-3094
Av Ernani Amaral Peixoto 60 sl 309
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Luciano S Herber
(55) 3742-2636
Rua Benjamin Constant 526 s 104
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Priscila C Oliveira
(71) 3341-6141
Av Prof Magalhães Neto 1856 sl 618
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Natálio Leão Nurkim
(51) 3222-5123
Porto Alegre - RS
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Luiz A Silva
(31) 3832-1620
Av Castelo Branco 195
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Carolina Nóbrega Candeia Pereira
(83) 3246-4486
Av Gov Flávio Ribeiro Coutinho 400 s 304
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Manoel Edmilson Pinheiro Filho
(85) 3290-6087
Rua Luciano Queirós 600
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Almir Reis de Azevedo
(21) 2659-8114
Rua Porto Alegre 38 lj 2
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
José Heitor Sapucaia
(71) 3247-9283
Av Oceânica 551 sl 136
Arapiraca, Alagoas
Especialidade
Odontologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Clínica Odontológica

Fornecido por: 

O mesmo inseto que produz uma das maiores fontes de cárie guarda o segredo para acabar com ela. O própolis, resina fabricada pelas abelhas para proteger as colméias, também é capaz de eliminar as bactérias que se alojam na boca do ser humano.

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) encontraram nessa poderosa resina natural mais uma arma: a prevenção da cárie bucal e o estímulo à fabricação de saliva, que ajuda no tratamento de pessoas com câncer. O estudo é da Faculdade de Odontologia da UFMG e foi apresentado durante a Semana do Conhecimento e da Cultura da UFMG 2008. Se as pessoas a usam para cicatrização e inflamação, por que não testá-la nas doenças bucais? A pergunta foi o ponto de partida para o estudo sobre a própolis. Em 1996, o grupo de pesquisadores formado por alunos de mestrado em odontologia, iniciação científica e do curso de farmácia e física da universidade, recolheu cerca de 14 amostras do extrato da resina comercializados no mercado de Minas Gerais.

O primeiro teste, in vitro, descobriu o poder do produto das abelhas sobre a Cândida albicans, popularmente conhecida como sapinho, comuns na boca, principalmente de bebês, e no peito de mães que estão amamentando, além disso, primeiro sintoma de portadores de HIV. Comparando a eficiência da matéria-prima com outros antibióticos, o resultado foi surpreendente. "O uso do extrato para combater esse fungo foi excelente e teve uma potência maior que os outros medicamentos usuais", conta o cirurgião dentista, professor e pesquisador da Faculdade de Odontologia da UFMG, Vagner Rodrigues dos Santos. Com o bom resultado da pesquisa, outro passo foi dado pelos pesquisadores que, depois de análises, levantaram uma suspeita: se a própolis é usada pelas abelhas para proteger as colméias contra invasão de outros corpos, sendo capaz de mumificá-los, a resina mata microorganismo.

Para constatar o que suspeitavam, eles começaram, em 2000, testes com seres humanos. O primeiro foi com pessoas com a Cândida albicans. "Cerca de 20 pacientes fizeram durante 10 dias o tratamento com o extrato, enquanto outros 15 utilizaram antibióticos comuns. Passado o prazo, 90% dos primeiros não tinham mais nada, o que não aconteceu com o outro grupo, que teve de continuar a medicação por mais cinco dias. Constatamos que a resina é até melhor", conclui. Em outra experiência, eles recolheram 1 miligrama da ...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb