Quer ser nosso colaborador? Envie seu texto e fotos para nosso e-mail.

Babá Macapá, Amapá

Encontre babás em Macapá. Aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Ivonete T Silva
(212) 635-2882
r Sta Alice, 48
Itaboraí, Rio de Janeiro
 
Doutor José Matovani Neto
(323) 421-9122
av Coronel Antônio Augusto de Souza, 442, Centro
Cataguases, Minas Gerais
 
Pousada Geriátrica Ltda
(213) 602-2889
av Roosevelt,Pres, 37, S Francisco, Niterói
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro
 
Clínica Matheus
(51) 472-7511
r Tuiuti, 55, Nossa Senhora Das Graças
Canoas, Rio Grande do Sul
 
Clínica Geriatrica Jorge
(519) 112-2815
av General Anapio Gomes, 122, Vila Eunice Velha
Cachoeirinha, Rio Grande do Sul
 
Viver Bem Residência de Idosos
(71) 365-0314
Raposa, 2
Salvador, Bahia
 
Chácara de Repouso Recanto da Lagoa Branca
(114) 038-2057
r João Amato, 2613, JD São Roque
Campo Limpo Paulista, São Paulo
 
Casa de Repouso Tottene SC Ltda
(115) 588-2372
R Onze de Fevereiro, 204, CID Vargas
São Paulo, São Paulo
 
Clínica Pasami
(91) 266-3530
cj Iapi, 1, bl 1 cs f, São Bras, Belém
Belem, Pará
 
Genesis Casa de Repouso
(113) 644-9832
r Ponta Porã, 618, Vl Ipojuca
São Paulo, São Paulo
 

Babá

Fornecido por: 

Sair com o bebê rende um episódio de novela. A lista de imprevistos chega a tirar o ânimo das mães, que sofrem pensando no que precisam carregar a cada volta fora de casa. Tanta precaução é, realmente, necessária. Os bebês precisam de cuidados especiais e as mães têm de estar preparadas para qualquer incidente.

1) Analgésico e antitérmico
Dor e febre são sintomas bastante comuns em bebês. Algumas células de defesa, quando encontram vírus e bactérias, sinalizam para regiões especiais do cérebro. Essas regiões elevam a temperatura do corpo com o objetivo de diminuir a multiplicação dos invasores. A febre pode fazer parte do quadro clínico de uma grande variedade de doenças, na maioria das vezes, infecciosas. Se a criança estiver com temperatura igual ou maior que 37,8º C, ela pode ser medicada com o antitérmico prescrito pelo
pediatra . O mesmo vale para o analgésico: leve sempre com você aquele que o pediatra indicar e não deixe o bebê chorando de dor.

2) Algodão/Lenços

  A cada troca de fralda, o bebê precisa ser limpo com algodão umedecido em água morna. Isso facilita a remoção da urina e das fezes, sem irritar a pele do bebê. Fora de casa, a operação é bem pouco prática e os lenços umedecidos facilitam a rotina. Mas não faça desses lencinhos um hábito: o algodão com água é a melhor pedida para a pele delicada. Nos recém-nascidos em que ainda não houve a queda do coto umbilical, faça a limpeza da região a cada troca de fralda, usando algodão ou cotonete embebido em álcool 70%.

3) Álcool a 70%
Até que ocorra a queda do coto umbilical (por volta de 7 a 15 dias de vida), ele deve ser limpo com álcool a 70% a cada troca de fralda. Portanto, leve sempre na bolsa um potinho com a solução de sua preferência.

4) Termômetro
Deve fazer parte do arsenal básico de toda mãe. Toda suspeita de febre tem de ser imediatamente verificada com a medição correta da temperatura. Apesar de muitas mães se sentirem capazes de diagnosticar a febre com a simples colocação da palma da mão na testa ou no tronco do bebê, essa medida não é confiável e, por isso, não é levada em consideração pelos pediatras.

5) Pomada de assaduras
A pele que entra em contato com a fralda fica mais sensível a irritações devido às fezes e à urina. Além disso, é uma região que permanece abafada na maior parte do tempo. Isso favorece o surgimento de dermatites e até de infecções por alguns fungos. Para evitá-las, recomenda-se o uso de pomadas contra assaduras a cada troca. Fale com o pediatra do seu bebê para escolher uma marca confiável.

6) Mamadeira com água
Os bebês devem ser constantemente hidratados. Por isso, lembre-se de oferecer água filtrada ao seu filho regularmente. Ao sair de casa, leve sempre uma mamadeira com água. Nos dias quentes, vale levar a água numa garrafinha própria, para mantê-la fresca por mais tempo. Mas isso só após os seis me...

Clique aqui para ler este artigo em O Debate

Copyright © 2013 Todos os direitos reservados.
UaiWeb